Opinião: Reflexões de uma jovem evangélica sobre o Brasil

Por Amanda da Cruz Costa

Hoje é dia 31 de outubro de 2022, 05h35 da manhã. Acordei com o barulho de uma forte chuva, sinto que Deus está lavando a Terra para um tempo de paz, esperança e amor.

Ontem tivemos eleições brasileiras e o povo escolheu Luís Inácio Lula da Silva para governar mais uma vez a nossa nação.

Posso finalmente dizer: UFA!

O período eleitoral foi complexo: vimos a ascensão do conservadorismo fundamentalista de extrema direita e o apoio de grandes líderes religiosos ao Bolsonaro, deixando uma nação extremamente polarizada e dividida.

Eu, enquanto jovem mulher preta ativista climática e evangélica, sentia um aperto no coração, fruto de tantas incoerências entre minha cosmovisão e os direcionamentos dos meus pastores. Eu pensava:

Jair Bolsonaro defende as armas, faz chacota de mortos, tem comentários racistas e misóginos. Isso é tão diferente do comportamento de Jesus! Porque será que ele está sendo tão apoiado pela igreja evangélica?

Hoje entendi que tudo fez parte de um anseio por poder. Afinal de contas, quem não disputa, é disputado.

Bolsonaro se comprometeu, caso fosse eleito, a anistiar a dívida tributária das igrejas e templos religiosos de quase R$1,4 bilhão. Um belo incentivo para ganhar apoio, não?

Mas isso é só a pontinha do iceberg, o rolê é muito mais profundo. É o sentimento antiesquerda que posicionou grandes líderes da comunidade religiosa ao lado do atual presidente, como:

  • André Valadão (Igreja Batista de Lagoinha)
  • Silas Malafaia (Assembleia de Deus Vitória em Cristo)
  • Edir Macedo – (Igreja Universal do Reino de Deus)
  • José Wellington Bezerra – (Assembleia de Deus)
  • Téofilo Hayashi (Zion Church)
  • Rinaldo Luiz de Seixas Pereira (Bola de Neve Church)

E para potencializar a complexidade do período eleitoral, as fake news rolaram soltas. Quem não ouviu que o PT era a favor da legalização do aborto, kit gay, taxação de templos, proibição de culto público e escolha de sexo pelas crianças?

No entanto, Lula escreveu uma Carta aberta aos Evangélicos, na qual deixou bem explícito seu posicionamento e suas reais intenções sobre os temas acima. 

Mas e agora, qual deve ser o nosso posicionamento?

A primeira coisa que quero que você faça é orar. Ore como souber, por todos os que você conhece. Ore, especialmente, pelos líderes e seus governos, para que governem bem, de modo que estejamos tranquilos quanto à nossa vida simples, em contemplação humilde. É assim que o Deus Salvador quer que vivamos.

I Timóteo 2:1-3 – Bíblia A Mensagem

Querida leitora, querido leitor, toda autoridade é permitida por Deus. A prosperidade do Brasil não será determinada apenas pelo presidente da república, mas sim quando entendermos que Cristo habita em nós e nos chamou para “fazer na Terra assim como é nos céus”. 

Somos Embaixadores de Deus e nossas armas são espirituais! 

Eu oro para que você tenha uma vida sobrenatural, desenvolva intimidade com o Senhor e caminhe em poder, justiça e amor. Eu desejo que sua fome por Deus não seja satisfeita apenas no culto de domingo à noite, mas que você realmente se aprofunde nas doutrinas bíblicas, tenha disciplinas espirituais (leitura da palavra, jejum e oração), sirva a sua comunidade e viva em verdade, excelência e honra.

Se você estiver em dúvida de como agir, pergunte-se: “O que Jesus faria nessa situação?”

Então agradeça pela sabedoria que o Eterno colocou em seu coração, respire fundo e aja, pois o Espírito Santo habita em você e te dará a capacidade necessária para ser um agente de transformação desse tempo.

Eu creio que, em parceria com o Pai, mudaremos o mundo. E essa revolução será fundamentada no amor!

Lula com representantes evangélicos. Amanda Costa/Acervo Pessoal

Ver +

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *