João Lara Mesquita/ Site Mar sem Fim (2022)

Maré de escombros: verticalização das cidades e questões ambientais

Vamos compreender um pouco mais sobre o processo de verticalização nas cidades, tomando como exemplo a Ilha Comprida. Trataremos os impactos ambientais e a ameaça à preservação da APA, bem como isso afeta a qualidade de vida da biodiversidade e da população.

Por Layssa Rodrigues da Silva, do Puro Ouro Verde

Você sabe o que significa a verticalização das cidades? 

A verticalização em municípios se refere ao processo de construção de edifícios em altura, ou seja, a construção de prédios que tenham mais de um andar, muitas vezes resultando em um cenário urbano. Embora esse processo seja frequentemente encarado como uma resposta eficiente ao crescimento populacional e à demanda por espaço nas áreas urbanas, causando preocupações significativas.

Essa questão vem se tornando um tema bastante pautado na Ilha Comprida, especialmente quando se trata da construção de condomínios. A ideia de erguer prédios é apresentada pelo poder público com suas vantagens, como a criação de oportunidades para a população, o aumento da capacidade de acomodação e o atrativo turístico. No entanto, essa expansão imobiliária levanta sérias preocupações, especialmente quando entra em conflito com a preservação da Área de Proteção Ambiental (APA).

Imagem divulgação.

 A APA da Ilha Comprida abriga uma rica diversidade de flora e fauna. A construção de condomínios pode resultar em desmatamento, poluição e perturbação dos ecossistemas locais. Isso ameaça não apenas a biodiversidade, mas também a qualidade de vida da população. 

O início da construção do prédio já está causando muitos impactos ambientais, como evidenciado pelo alagamento das ruas apenas com a construção do muro que cerca o condomínio. 

Portanto, é crucial que as autoridades e a comunidade local considerem os impactos da verticalização e busquem soluções que respeitem a natureza do território, garantindo a preservação do ecossistema para as gerações futuras.

Impactos da verticalização

Perda de espaços verdes: A verticalização frequentemente implica na remoção de áreas verdes e vegetação para dar lugar a edifícios. Isso não apenas reduz o acesso a espaços de recreação e lazer para os moradores, mas também ameaça a biodiversidade urbana. A retirada de árvores e habitats naturais pode resultar na diminuição da fauna e flora locais. 

Desafios de escoamento e Enchentes: A impermeabilização do solo devido à construção de edifícios e pavimentos pode causar problemas de escoamento. Em muitos casos, isso leva a enchentes urbanas, à medida que a água da chuva não consegue ser absorvida pelo solo, causando transtornos e prejuízos

Impactos Ambientais: A impermeabilização do solo devido à construção de edifícios pode aumentar o risco de enchentes. Além disso, a construção descontrolada pode levar à degradação do meio ambiente. 

Desigualdade: A verticalização pode levar à separação socioeconômica, com áreas mais valorizadas e acessíveis para alguns grupos da população, enquanto outros são deslocados para regiões menos privilegiadas.

Mobilização social

Em 2022, foi realizada uma manifestação popular contra a verticalização ilegal de Ilha Comprida no Vale do Ribeira, Litoral Sul do estado de São Paulo. A mobilização reuniu dezenas de moradores, se concentrou no Fórum de Iguape e seguiu em passeata para a sede da Fundação Florestal, percorrendo alguns quarteirões. A composição do ato foi em sua maioria de jovens e a passeata teve apoio da população da pequena cidade de Iguape, pouco acostumada a ver protestos populares.

Maré de escombros

No nosso documentário ‘Maré de Escombros’, abordamos diversas temáticas ambientais, incluindo a verticalização em Iguape e Ilha Comprida. Apresentamos relatos que descrevem o processo de verticalização nessas áreas e como alguns coletivos se mobilizaram contra essa tentativa de transformação dos territórios.

O filme foi produzido através do projeto Chama na Solução, uma iniciativa do Unicef Brasil implementada pela Viração Educomunicação para evidenciar, através de imagens, relatos e dados, as problemáticas causadas em decorrência do avanço do mar, verticalização, e o descaso no tratamento ao meio ambiente e cultura local.

Seu tema principal é o avanço do mar e a destruição que tal problema climático vem causando ao longo dos anos. É nítida a modificação de terreno e da vida ambiental, porém o problema ainda é pouco pautado na região. O mini documentário também tem o intuito educativo, sendo utilizado nas oficinas que realizamos e disponível gratuitamente no YouTube.

Assista:

Ver +

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *