Líderes mundiais deixam o Egito, e a Agenda de Adaptação de Sharm-El-Sheikh é definida

O contexto é muito nítido e é compartilhado por todos, ou pelo menos parece: não há mais tempo para a inação, devemos cumprir.

Por Emiliano Campisi

Tradução: Monise Berno

Os dois primeiros dias da COP 27 chegaram ao fim. Líderes, chefes de estado, ministros e ativistas fizeram seus discursos e fizeram declarações durante a Cúpula de Implementação Climática de Sharm El-Sheikh (SCIS), a Cúpula de Líderes Mundiais. Ouvimos os apelos dos representantes de quase todos os países da Terra pedindo para melhorar a ação, tanto nos objetivos de mitigação quanto nas medidas de adaptação.

Mas quando a cortina cai, quando todos os líderes saem do Egito, a música muda e começa a parte mais difícil da negociação, deixando espaço para a ação dos delegados, técnicos e enviados especiais, que infelizmente não podem contar com promessas e proclamações. Devem, como já foi dito, cumprir.
Esta é a 27ª COP em trinta anos, e nesse período tudo mudou. Nas palavras da ONG ECO, o tempo de implementação da “mudança incremental” já passou, e agora precisamos de uma transformação estrutural de toda a economia e precisávamos disso para ontem. Isso fica ainda mais evidente ao ler o recente Emission Gap Report, uma previsão anual sobre a diferença nas emissões de gases de efeito estufa até 2030 entre as projeções reais e a meta do IPCC de 1,5°C. Infelizmente, os dados falam por si e estamos longe da meta: em comparação com os níveis de 2019, até 2030 as medidas atuais implementadas internacionalmente reduzirão as emissões globais em apenas 3,6% em comparação com a redução de 43% recomendada pelo IPCC.

Climate Action Tracker

Parafraseando e usando as palavras do secretário-geral da ONU, António Guterres, isso significa que “estamos na estrada para o inferno climático com o pé ainda no acelerador”. 

Não surpreende, portanto, que nos últimos anos a atenção à adaptação tenha crescido dramaticamente a ponto de esta COP estar totalmente voltada para essa questão, já que a África é, e será, um dos continentes mais afetados pelos impactos devastadores e extremos da mudança climática, e também é o que tem menos ferramentas para lidar com isso.

Para isso, ontem, na conclusão da Cúpula de Líderes Mundiais, a Presidência da COP lançou a “Agenda de Adaptação de Sharm-El-Sheikh”, um calendário dos trabalhos desta COP, que traça 30 resultados de adaptação desejados para melhorar resiliência. mais de 4 bilhões de pessoas vivendo nas comunidades mais vulneráveis ​​aos impactos climáticos até 2030.  

A dificuldade será reunir os recursos necessários para implementar tal objetivo. Ninguém discorda da importância da adaptação, mas sim de quem vai pagar por ela, quando e como. Os mecanismos financeiros são o coração da solução e do problema.

Muito pouco foi feito no passado sobre esta questão e agora os líderes do Sul global estão pedindo progresso imediato, caso contrário, todos os belos princípios de “transição justa” e “não deixar ninguém para trás” serão palavras vazias. Não podemos permitir que os mais pobres e menos responsáveis ​​enfrentem as piores consequências das ações dos mais ricos e responsáveis; do contrário, seremos obrigados a confirmar as palavras da primeira-ministra de Barbados, Mia Mottley, quando diz que “este mundo ainda se parece muito com quando fazia parte de um império imperialista”.

Ver +

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *