Energia Eólica: Impactos da poluição sonora e desafios na busca por fontes de Energia Limpa

A jornada em direção a um futuro energético sustentável é marcada por desafios e oportunidades. A energia eólica, como alternativa promissora, enfrenta questionamentos sobre os impactos da poluição sonora em comunidades locais, destacando a necessidade de soluções inovadoras e sustentáveis. Neste contexto, a busca por novas metodologias de implementação energética, como também novas fontes de energia limpa torna-se essencial, exigindo um compromisso coletivo com a proteção do meio natural e o bem-estar das comunidades.

Por Victor Medeiros

O nordeste em luta pela saúde auditiva

No Sul da Bahia, novo parque de energia eólica d CGN Brasil colabora com a produção recorde no país (Foto2TV.me)

Na jornada em direção a um futuro energético mais sustentável, a energia eólica emergiu como uma alternativa promissora. No entanto, seu crescimento não tem sido sem desafios. À medida que mais turbinas eólicas pontilham o horizonte de cidades da região nordeste, as preocupações com a poluição sonora têm ganhado destaque.
Os parques eólicos, embora ofereçam benefícios significativos na redução das emissões de gases de efeito estufa e na diversificação da matriz energética, também apresentam desafios para as comunidades locais. Os sons constantes das turbinas tornaram-se uma fonte de desconforto para muitos residentes, afetando sua qualidade de vida.

Em 2021 foi lançado um mini documentário chamado “A Armadilha da Energia Eólica”, no canal FetapeOficial, no Youtube. Dentro deste filme estão contidos 21 minutos e 11 segundos de relatos impactantes de agricultores e agricultoras que vivem em áreas onde foram instalados parques eólicos.

Para produção do mesmo foram percorridas várias comunidades no Agreste do estado de Pernambuco, para ouvir as famílias e representantes dos Sindicatos, que têm lutado para minimizar os efeitos desastrosos dos aerogeradores na agricultura familiar, na Caatinga e na saúde das pessoas.

Distúrbios do sono, estresse e impactos na saúde mental têm sido observados, graças aos intensos barulhos das hélices, levando os moradores a pedir um diálogo mais aberto com o governo e as empresas do setor. Então, em 2022, foi realizada a produção do mini documentário “Ventos do Agreste”, uma produção da Comissão Pastoral da Terra (CPT) em parceria com o Instituto Mãe Terra, com a equipe de Residência em Saúde coletiva e agroecologia da Universidade de Pernambuco (UPE) e com o Fundo Casa Socioambiental, realizando um acompanhamento dos casos de violações de direitos causados pelas usinas eólicas, em Pernambuco, como os diversos problemas de saúde relatados por agricultores.

Além destas problemáticas, outros impactos ambientais e sociais foram relatados, como o desmatamento relacionado à construção de infraestrutura para parques eólicos, que é uma preocupação, especialmente em áreas ecologicamente sensíveis, como brejos, que são berços de nascentes, animais e plantas, também citados na produção.

Em 2023 foi publicado, pela Agência Brasil, um artigo que relata os desafios enfrentados por comunidades afetadas pela instalação de parques eólicos no estado do Ceará. Segundo os relatos, essas comunidades têm enfrentado diversos problemas, incluindo danos ambientais, impactos na saúde das pessoas e conflitos sociais. 

Entre os principais impactos ambientais relatados estão a erosão do solo, a redução da disponibilidade de água e a morte de animais silvestres. Esses problemas têm afetado diretamente a vida dos moradores locais, que dependem dos recursos naturais para sua subsistência.

Além disso, as comunidades também têm enfrentado problemas de saúde, como o aumento de doenças respiratórias devido à poeira levantada pelas obras dos parques eólicos. Há relatos de que as empresas responsáveis pelas instalações não têm cumprido adequadamente as medidas de compensação e mitigação dos impactos, o que agrava a situação das comunidades.

O quanto um ruído pode danificar a saúde de uma pessoa?

Segundo o artigo “Impactos Negativos para a Saúde Humana Ocasionados pelo Ruído dos Geradores Eólicos”, apresentado na 9ª Jornada Científica e Tecnológica da Fatec de Botucatu, o ruído gerado pelos geradores eólicos pode causar uma série de impactos negativos na saúde humana, dando origem à chamada Síndrome da Turbina Eólica. Essa síndrome provoca uma variedade de distúrbios, como dores de cabeça, náuseas, raiva, ansiedade, insônia e falta de concentração, afetando a qualidade de sono e de vida das populações próximas às instalações dos geradores. Esses sintomas podem ser mais perceptíveis em pessoas mais sensíveis e, em alguns casos, podem desaparecer com o desligamento das turbinas ou com o afastamento dos moradores para locais mais distantes.

Além da Síndrome da Turbina Eólica, também há a Doença Vibro Acústica, que afeta principalmente os tecidos e órgãos internos. A exposição aos ruídos de baixa frequência emitidos pelos geradores eólicos pode levar ao aumento descontrolado de colágeno e elastina sem inflamação aparente, interferindo no fluxo sanguíneo e causando alterações no sistema cardiovascular, respiratório e nervoso dos indivíduos expostos.

Esses impactos negativos na saúde são relacionados principalmente aos ruídos mecânicos e aerodinâmicos produzidos pelos geradores eólicos. O ruído mecânico é gerado pelo funcionamento das partes mecânicas dos geradores, como engrenagens e rotores, enquanto o ruído aerodinâmico é resultante da interação das pás com o fluxo de ar, podendo variar de acordo com as dimensões das pás.

Portanto, a exposição prolongada aos ruídos dos geradores eólicos pode resultar em desconfortos, problemas de sono, dificuldades cognitivas, alterações cardiovasculares e respiratórias, entre outros impactos negativos na saúde das pessoas que vivem próximas a essas instalações.

Com tamanhas problemáticas ligadas a um mesmo tema, e se há a necessidade da busca pela solução, quais as alternativas?

  1. Parques Eólicos Offshore

Uma opção para reduzir os impactos de tal produção energética seria a implementação de parques eólicos offshore, que são instalações de geração de energia eólica localizadas no mar, em oposição aos parques onshore, que estão em terra firme. Esses parques são compostos por turbinas eólicas que são montadas em estruturas fixas ou flutuantes, ancoradas no leito marinho.

A energia eólica offshore tem algumas vantagens em relação à energia eólica onshore. Por exemplo, os ventos no mar tendem a ser mais constantes e mais fortes, o que pode aumentar a eficiência na geração de energia. Além disso, a instalação desses parques em áreas afastadas da costa pode reduzir potenciais impactos visuais e sonoros nas comunidades locais.

No entanto, a energia eólica offshore também apresenta desafios e custos adicionais, como a necessidade de tecnologias mais avançadas para a construção e manutenção das turbinas, além de exigir infraestrutura específica para a transmissão da energia gerada até a costa, e uma ausência de dados a respeito de seus efeitos ao ecossistema marinho.

2. Estudos de Campo:

Para mitigar os impactos causados pela energia eólica, seria indicado uma abordagem cuidadosa e bem fundamentada, que começa com a realização de estudos de campo abrangentes para caracterizar a área e analisar a viabilidade da instalação do parque eólico. Esses estudos devem incluir avaliações detalhadas dos recursos naturais, como os padrões de vento, a biodiversidade local, os recursos hídricos e a topografia da região.

Sendo realizado, ao mesmo tempo, um mapeamento das áreas sensíveis e de importância ambiental e social, identificando locais de preservação, comunidades locais e áreas de interesse cultural. Permitindo entender melhor os potenciais impactos da instalação do parque eólico e desenvolver estratégias para mitigá-los. Assim, com base nos dados coletados durante os estudos de campo, se é elaborado um planejamento robusto e detalhado sobre como será feita a instalação do parque eólico de acordo com a realidade local. Isso inclui a seleção criteriosa de locais de instalação que minimizem os impactos ambientais e sociais, levando em consideração aspectos como a sensibilidade ambiental, a preservação de habitats naturais e a proximidade com comunidades humanas.

Porém, a implementação de medidas para mitigar os impactos causados pela energia eólica enfrenta desafios significativos, como o alto custo financeiro dos estudos de campo e planejamento detalhado, a complexidade e o tempo exigidos por esses estudos, a necessidade de coordenação e colaboração entre diversas partes interessadas, a conformidade com regulamentações locais, e a necessidade de obter aceitação social para as medidas propostas. Superar essas dificuldades requer compromisso, recursos adequados, colaboração eficaz e uma abordagem transparente e participativa para garantir o desenvolvimento sustentável da energia eólica.

Diante dos desafios apresentados pela energia eólica, é crucial adotar uma abordagem holística que equilibre os benefícios ambientais com a proteção das comunidades e do meio natural. Isso envolve não apenas a implementação de tecnologias avançadas e políticas ambientais, mas também um compromisso genuíno com a transparência, o diálogo e a participação das partes interessadas. A busca por soluções inovadoras e sustentáveis não deve ser vista como uma escolha, mas sim como um imperativo ético e ambiental para garantir um futuro energético mais limpo, saudável e equitativo para todos.

À medida que avançamos para uma era de transição energética, é fundamental reconhecer que cada passo rumo à sustentabilidade requer esforços coletivos e decisões informadas. Os desafios enfrentados pela energia eólica são um lembrete da complexidade e da interdependência das questões ambientais e sociais. Ao enfrentar esses desafios de frente, com determinação e cooperação, podemos moldar um futuro onde a energia renovável não seja apenas uma fonte de eletricidade, mas sim um motor de progresso sustentável e inclusivo para todas as gerações vindouras.

Quer saber mais? Veja algumas referências

1. Impactos negativos da energia eólica: quais são – Brasil Escola 
2. Afetados por eólicas discutem danos causados às comunidades | Agência Brasil 
3. Moradores de comunidades em parques eólicos sofrem com poluição sonora e pedem diálogo com governo federal 
4. impactos negativos para a saúde humana ocasionados pelo ruído dos geradores eólicos. 9ª Jornada Científica e Tecnológica da Fatec de Botucatu. 
5. Energia eólica: como funciona, tipos, vantagens e desvantagens. CNN Brasil. 
6. Como diminuir o ruído das turbinas eólicas. Portal Inovação Tecnológica 
7. Documentário denuncia impactos ambientais e sociais da energia eólica em Pernambuco. Brasil de Fato. 

Ver +

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *