100 anos de Paulo Freire: esperançar em tempos de barbárie

A Rede Emancipa e UFABC oferecem curso online, aberto e gratuito sobre a história e a obra do educador Paulo Freire; Aulas começam amanhã, 05 de agosto, através do Youtube. Ainda dá tempo de se inscrever

Em 2021, Paulo Freire completaria 100 anos de idade. É tempo de relembrar sua história, seu pensamento e suas propostas político-pedagógicas, cuja força ainda mobiliza milhares de educadores – e incomoda os poderosos.

Para marcar o centenário do nascimento de Paulo Freire — que ocorrerá no próximo mês –, um conjunto de entidades, universidades e institutos federais prepara um curso sobre sua história e filosofia. Sua trajetória de vida, suas experiências, a Pedagogia do Oprimido, sua importância para a educação popular e lutas sociais serão os temas tratados durante as 20 aulas, gratuitas e abertas a todos.

Apesar de Paulo Freire ser uma celebridade, sua história de vida ainda é pouco conhecida para maioria dos brasileiros. Estudar e conhecer sua história é uma necessidade de nosso tempo!

site do curso

O curso de extensão “100 anos de Paulo Freire: esperançar em tempos de barbárie” é totalmente gratuito e conta com aulas online, disponíveis de forma aberta pelo canal da Universidade Emancipa no YouTube. Os encontros acontecem entre 05 de agosto e 23 de setembro de 2021.

  • O curso é GRATUITO, como deve ser a universidade pública. 
  • O curso é ONLINE, para defendermos a vida enquanto a vacina não chegou para a maioria. 
  • O curso oferece um CERTIFICADO de até 20 horas, a depender da sua participação.

Você quer saber mais sobre Paulo Freire?

Por que os conservadores manifestam tanto ódio contra sua figura? Por que ele foi perseguido pela ditadura militar iniciada em 1964? Por onde ele passou em seu exílio? Como sua trajetória de vida formou seu pensamento? Quais são suas principais propostas? Quais as suas concepções de educação e mudança social? Como Paulo Freire influencia a educação brasileira hoje? Por que ele merece ser o Patrono da Educação Brasileira?

Tudo isso e muito mais será debatido no curso! Para participar, preencha o formulário de inscrição clicando no link abaixo:

Nesse curso, você vai saber mais sobre:

  • A história do método de alfabetização de Paulo Freire e Elza Freire.
  • A perseguição e prisão de Paulo Freire na ditadura militar, após o golpe de 1964.
  • Os exílios do educador em três países: Chile, EUA e Suíça.
  • A influência de Freire na América Latina, nos Estados Unidos, na Europa e na África.
  • A projeção mundial da obra “Pedagogia do Oprimido”.
  • A relação da pedagogia freiriana com antirracismo, feminismo e marxismo.
  • A história de Paulo Freire como Secretário Municipal da Educação em São Paulo.
  • O legado de sua pedagogia para educação brasileira hoje.

Objetivos:

a) Relembrar a história de Paulo Freire no ano do seu centenário, relacionando sua experiência prática de vida com seu pensamento pedagógico;

b) Comunicar a importância mundial de Freire para a educação popular e as lutas sociais;

c) Mapear diálogos freirianos com pensadores contemporâneos;

d) Esperançar como prática da educação popular;

e) Reconhecer o legado freiriano para educação brasileira e seu papel na luta contra o autoritarismo.

Clique aqui para conhecer os professores.

Afinal, quem foi Paulo Freire? 

Paulo Freire não foi só um professor. 

Paulo Freire, que em 2021 completaria 100 anos, pode ser considerado um dos mais influentes educadores brasileiros que via a alfabetização como potencializadora de mudanças na sociedade. Mudanças, essas, em todos os sentidos da existência humana.

Para ele, recifense de origem, a sociedade deveria ser menos autoritária, discriminatória e desigual. Sua práxis educativa girava em torno da democracia que ele sonhava – e agia – para o Brasil todo. E isso foi reconhecido mundialmente.

Em outubro de 1963, Paulo Freire foi convidado pelo governo de João Goulart para integrar o Programa Nacional de Alfabetização e espalhar seu método por todo país. Com ele, seria possível alfabetizar 5 milhões de adultos. Mas pouco depois, em 1º de abril de 1964, aconteceu o golpe civil-militar de 1964, que derrubou o presidente eleito. 

A ditadura enxergou no método de alfabetização de Paulo Freire um adversário a ser vencido. Por isso, o Programa Nacional de Alfabetização foi extinto, Freire foi preso e torturado, passando dias dentro de uma solitária. Depois da segunda prisão, Freire foi forçado ao exílio. Ele passou 15 dias na Bolívia e depois chegou ao Chile, onde viveu exilado por cinco anos. Freire também morou um ano nos EUA e uma década na Suíça, até voltar ao Brasil em 1980.

O que a ditadura não previa é que em 16 anos de exílio, Paulo Freire se tornou um dos educadores mais celebrados do mundo. No Chile, escreveu “Pedagogia do Oprimido” (1968), um dos livros mais traduzidos do século XX, no qual explicava a base filosófica e prática da sua pedagogia.

Partindo do pressuposto de que a leitura e a escrita são maneiras de ler o mundo e, assim, interagir com ele, Freire dizia que as relações de opressões poderiam ser rompidas quando os alfabetizandos – como ele gostava de chamar os iletrados – se dessem conta das injustiças que ocorriam e, por meio da alfabetização, se libertassem da “aderência ao opressor”.

Sim, a educação para ele era um projeto político.

E foi nesta direção que ele lecionou em importantes universidades brasileiras como UNICAMP e PUC-SP, em 1980. Em 1989, Freire se tornou Secretário Municipal de Educação de São Paulo, na prefeitura de Luiza Erundina. Seu mandato foi marcado pela “recuperação salarial dos professores, a revisão curricular e, claro, a implementação de programas de alfabetização de jovens e adultos”, explicou o Instituto Paulo Freire.

Nos causa comoção e esperança comemorar os 100 anos de Paulo Freire em 2021, num tempo de aberrações, mentiras e injustiças em terras brasileiras. Com a disseminação da Covid-19 e a estratégia genocida do governo de Jair Bolsonaro, já perdemos quase 500 mil vidas brasileiras, vimos o crescimento do desemprego, da fome e da pobreza.  

Em tempos como esses, é necessário um mergulho em Paulo Freire! Convidamos vocês a beber dessa fonte. Nosso curso vai produzir encontro, troca e estudo coletivo. E também nos ajudará a tomar fôlego e seguir na luta, com a esperança posta em prática.

Ilustração: Lana Maciel / reprodução portal Outras Palavras

Conheça o programa das aulas

05/08 – ENCONTRO 1 (INAUGURAL) – 100 ANOS DE PAULO FREIRE: ESPERANÇAR EM TEMPOS DE BARBÁRIE – Com Fátima Freire (educadora e filha de Paulo Freire), Moacir Gadotti (Diretor do Instituto Paulo Freire), Maurício Costa (Rede Emancipa)

12/08 – ENCONTRO 2 – EDUCAÇÃO COMO PRÁTICA DA LIBERDADE: DE ANGICOS (RN) AO GOLPE DE 1964 – Com Dimas Brasileiro Veras (IFPE), Sérgio Haddad (Ação Educativa), Nima Spigolon (UNICAMP)

19/08 – ENCONTRO 3 – PEDAGOGIA DO OPRIMIDO: EXÍLIO NO CHILE E INFLUÊNCIA NA AMÉRICA LATINA – Com Jacques Chonchol (ex-Ministro do Chile, acolheu Freire no exílio), Andrés Donoso (Universidad de Chile), Joana Salém (USP/Emancipa), João Colares (UEPA)

26/08 – ENCONTRO 4 – FREIRE NA ÁFRICA, LUTA ANTICOLONIAL E ANTIRRACISMO – Com Andreia Mosso (Emancipa Cabo Verde), Edneia Gonçalves (Ação Educativa), Maurilane Bicas (USP), Douglas Gonçalves (Emancipa-SP)

02/09 – ENCONTRO 5 –  FREIRE SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM SÃO PAULO –Com Lisete Arelaro (USP), Iracema Nascimento (USP), Eduardo Januário (USP)

09/09 – ENCONTRO 6 – FREIRE, MARXISMOS E FEMINISMOS – Com Mariléa de Almeida (UNICAMP), Giovanna Marcelino (USP/Emancipa), Roberto Leher (UFRJ)

16/09 – ENCONTRO 7 – TERRITÓRIOS FREIRIANOS E LUTAS SOCIAIS CONTEMPORÂNEAS – Com Alessandro Mariano (Coletivo de Educação do MST), Daniela Mussi (Emancipa/UFRJ), Socorro Silva (UFPI), Rosane de Sá Amado (USP)

23/09 – ENCONTRO 8 (ENCERRAMENTO) – PAULO FREIRE E A EDUCAÇÃO BRASILEIRA HOJE –Com Sônia Couto (Instituto Paulo Freire), Salete Valesan Canvas (FLACSO Brasil), Marcelo Cortez (Emancipa-MG/Professor da Rede Estadual)

Conversas Abertas

A equipe da Rede Emancipa programou, além das aulas regulares do curso, uma série de CONVERSAS ABERTAS DA UNIVERSIDADE EMANCIPA, que ocorrerão ao longo de todo curso, aos sábados, das 10h às 12h.

A primeira acontece no sábado, 07 de agosto, das 10h às 12h: Conversa Aberta de Apresentação da Rede Emancipa especial para os cursistas do “100 anos de Paulo Freire”. Para quem quer saber mais sobre a rede.

Conversa Aberta de Apresentação da Rede Emancipa: Educação popular como estratégia das periferias.

COMO PARTICIPAR? Se cadastre na página de CONVERSAS ABERTAS DA UNIVERSIDADE EMANCIPA – CLIQUE AQUISe inscreva na CONVERSA ABERTA 1 – Apresentação da Rede Emancipa: educação popular como estratégia das periferias.

Leia a ementa do curso em espanhol aqui.

Certificado da UFABC

Certificados serão emitidos comprovando até 20 horas (16 horas-aulas + 4h de atividades complementares). O certificado é personalizado de acordo com a quantidade de aulas que você participou. Para obter, é preciso assinar as listas de presença que circulam durante as aulas.

Instituições parceiras: o curso conta com apoio de dezenove instituições parceiras. São elas: o Instituto Paulo Freire (IPF), a Ação Educativa, o Conselho Federal de Psicologia (CFP), além de universidades USP, UNIFESP, UFRJ, UERJ, FLACSO, UNEB, UFSB, UFPA, UEPA, UNIMONTES, Informa-SUS UFSCAR; do Mapa Colaborativo da UFABC; dos Institutos Federais do Sul e do Norte de Minas. Temos apoio internacional da Universidad Iberomexicana e da UNAM-Pedagogía.

Dúvidas? Mande e-mail para cursopaulofreire100@gmail.com

Ver +

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.